Alceu Valença e Geraldo Azevedo

1972

Lançamento: 1972

PRODUTOR FONOGRÁFICO: SOM – INDUSTRIA E COMÉRCIO S.A.
COORDENADOR DE PRODUÇÃO: CESARE BENVENUTI
SUPERVISÃO MUSICAL: LEO PERACHI
ASSISTENTES DE PRODUÇÃO: CARLOS FERNANDO E DANIEL TAUBKIN
ORQUESTRADOR E REGENTE: ROGÉRIO DUPRAT
TÉCNICOS DE GRAVAÇÃO: ARIOVALDO DOS SANTOS (ÍNDIO), MILTON RODRIGUES E ROGÉRIO DÉCIO GAUSS JR.
TÉCNICO DE CORTE: ROGÉRIO DÉCIO GAUSS JR.
GRAVAÇÃO: ESTÚDIOS REUNIDOS LTDA, SÃO PAULO
CAPA: CIRO NEY
VIOLÃO: GERALDO E ALCEU
PIANO E ÓRGÃO: ALEXANDRE PASCOAL GETO
BAIXO: GABRIEL BAHLIS
BATERIA E PERCUSSÃO: ZEQUINHA
VIOLA CAIPIRA E CAVAQUINHO: MESSIAS
PARTICIPAÇÃO ESPECIAL: LUIZ CARLOS ASSAF

01ME DÁ UM BEIJO

ME DÁ UM BEIJO
ALCEU VALENÇA

ME DÁ UM BEIJO
VIGIA UM BEIJO
DÊ CÁ UM BEIJO

SE EU NÃO LHE AMO
MARA MORENA MANHOSA, MAR
MARAVILHOSA, AMOR RIMAR AMORRERÁ
É MADRUGADA
O SOL DESPONTANDO
RAIOU O DIA
Ô MARA
O OLHAR DE MARA MAR AZULOU
Ô MARA
VAI DANÇAR O FREVO NA AVENIDA
Ô MARA
VAI ABRIR JANELAS
PRO NOSSO AMOR

02VIRGEM VIRGÍNIA

VIRGEM VIRGÍNIA
ALCEU VALENÇA / GERALDO AZEVEDO

VIRGEM MARIA, ESSA CIDADE
ESSA MENINA TEM MINHA IDADE
QUER ME FALAR E SE ESCONDEU
É A DÉCIMA VEZ E SE ESCONDEU
ATRÁS DA VITRINA DE QUALQUER ESQUINA
NO FUNDO DO MAR
NADA, NADA
O CARRO, VIRGÍNIA, ATROPELA, ATROPELA
A PRESSA, MENINA, ATROPELA, ATROPELA
OS PÉS DESSA GENTE, ATROPELA, ATROPELA
A VIDA DE FRENTE, ATROPELA, ATROPELA
VIRGÍNIA, A LOUCA, A DOIDA DA CORTE
DE AQUÁRIO
VIRGEM VIRGÍNIA SE ACABOU
ESSA CIDADE ATROPELA, ATROPELA, ATROPELA...

03MISTER MISTÉRIO

MISTER MISTÉRIO
GERALDO AZEVEDO

MISTER MISTÉRIO
MISTER MISTÉRIO SOU
É SOU, EU JÁ ESTOU

MISTER MISTÉRIO
MISTER MISTERIOSO
MISTER MISTÉRIO

ESCONDER O CRIME
E DISFARÇAR A DOR

EX, EX, ‘EXCÂNDALO’
ESCAPADA DE CARREIRA MANEIRA

04NOVENA

NOVENA
GERALDO AZEVEDO / MARCUS VINICIUS

NAS HORAS DE DEUS AMÉM
PADRE, FILHO, ESPÍRITO SANTO
ESSA É A PRIMEURA CANTIGA
QUE NESSA CASA EU CANTO

SEI QUE SÃO NOVE DIAS NOVE PENAS
ENQUANTO A ESPERA AUMENTA
O MUNDO SE FAZ ESQUECIDO
NA TERRA DOS HOMENS
DE LUZES COLORIDAS

ENQUANTO A FAMÍLIA REZA NOVENA
AS NOTÍCIAS QUE MONTAM CAVALOS LIGEIROS
VÃO TOMANDO TODO O MUNDO
E NA CASA DO LAR
ESQUECIDOS FICAM TODOS LONGE DE SABER
O QUE FOI QUE ACONTECEU
E ALL NINGUÉM PERCEBEU
TANTA PEDRA DE AMOR CAIR
TANTA GENTE SE PARTIR
NO AZUL DESSA INCRÍVEL DOR
ENQUANTO A FAMÍLIA REZA ALGUÉM
SEGUE E NOVENA
NO ABISMO DE PRECES REPETIDAS
NO SOSSEGO DE UMA AGONIA SEM FIM

ENQUANTO A FAMÍLIA REZA NOVENA
NOVE DIAS SE PASSARAM MARCADOS
SEM TEMPO SEM NADA E SEM FIM
NO MEIO DO MUNDO, DO MEDO
E DE MIM DESESPEDAÇADO EM TANTO VERSO
ENTÃO DE ORAÇÕES A SALA SE FAZ
E LÁ FORA SE ESQUECE A PAZ
UMA BOMBA EXPLODIU POR LÁ
SOBRE OS OLHOS DO MEU BEM
E ASSIM ME MATA TAMBÉM
ENQUANTO A NOVENA CHEGA AO FIM
BANDAS BANDEIRAS
BENDITOS PASSANDO PELA VIDA
E A NOVENA SE PERDE ESQUECIDA DE NÓS

NAS HORAS DE DEUS AMÉM
PADRE, FILHO, ESPÍRITO SANTO
ESSA É A PRIMEIRA CANTIGA
QUE NESSA CASA EU CANTO

05CORDÃO DO RIO PRETO

CORDÃO DO RIO PRETO
ALCEU VALENÇA

...E AS MORENA NA JINELA
DIVERTINDO OS CARNAVÁ.

EITA, SOFRÊ
Ê, TANTO PENÁ
MORENA NA JINELA
DIVERTINDO OS CARNAVÁ

RIO PRETO VAI PASSADO
PRA QUE TANTO CARNAVAL
PRA QUE TER QUE SE IR EM FRENTE
DEPOIS DO PONTO FINAL
RIO PRETO SE ARRASTANDO
PRA QUE TANTO CARNAVAL
PRA QUE TER QUE SE IR EM FRENTE
DEPOIS DO PONTO FINAL

ESTANDARTE DESBOTADO
ALEGRIA DISFARÇADA
DEZ MIL RÉIS DAQUELA RIFA
RIO PRETO NAS CALÇADAS
OLHA O PASSO DE NEZINHA
PULANDO NUMA PERNA SÓ, SÓ, SÓ
E O CORDÃO DO RIO PRETO
NA GARGANTA DÁ UM NÓ
E SÁ MARIA DAS DORES
RIO PRETO, AI QUE DÓ

AI, QUE LINDO RIO PRETO
AI, QUE TEMPO TÃO ATRÁS
...E AS MORENA NA JINELA
DIVERTINDO OS CARNAVÁ

06PLANETÁRIO

PLANETÁRIO
ALCEU VALENÇA

ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
ELA FOI AO ANALISTA E AINDA NÃO VOLTOU
ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
ELA FOI AO ANALISTA E AINDA NÃO VOLTOU

SÃO MIL HORAS, MIL ESTRELAS
QUE NOS SEPARAM DELA
O CRUZEIRO DO SUL
E ESSA SUPER-NOVELA

ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
ELA FOI AO ANALISTA E AINDA NÃO VOLTOU
ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
ELA FOI AO ANALISTA E AINDA NÃO VOLTOU

OS RUÍDOS DOS CARROS
A MORAL, A CIÊNCIA
A PSICO-NEURO-VIOLÊNCIA

E ESSA ESTRELA MUITO BRANCA
DE CRISTAL

ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
E ESSA LUA É DE GESSO OU ISOPOR
ESPEREI NO PLANETÁRIO O MEU AMOR
E ESSA LUA É DE GESSO OU ISOPOR

HELOÍSA NÃO VIU
UMA ESTRELA CAIU
E O SOM IMAGINÁRIO
FOI TOMANDO O PLANETÁRIO
E A URSA MENOR APAGOU...

07SEIS HORAS

SEIS HORAS
ALCEU VALENÇA

TODA MANHÃ SE ACORDA
ÀS SEIS HORAS
ÀS SEIS HORAS O SOL BATENDO
NOS SOBRADOS DE OLINDA
NO ALTO DO EMPIRE STATES
NAS ESQUINAS DO VILLAGE
NAS ÁGUAS DE TRÊS MARIAS
NESSA PIA QUE NÃO LAVA
O SEGREDO DE PILATOS

MÁGICO, PRÁTICO
MAGIPRÁTICO
PRÁTICO, MÁGICO
PRATIMÁGICO
PRAGMÁTICO

E SEU HORÁRIO LONDRINO
ÀS SEIS HORAS
SEU COLARINHO ENGOMADO
ÀS SEIS HORAS
SEU CHÁ DAS CINCO EM PONTO
ÀS SEIS HORAS
NA ALGIBEIRA MARCADO
ÀS SEIS HORAS
SÓ LHE COMOVE O FUTURO
ÀS SEIS HORAS
SE TUDO FOR ENGRENADO
ÀS SEIS HORAS
NO SEU SORRISO PORTÁTIL

CORRESPONDE A MIL HORAS
ÀS SEIS HORAS
EM QUALQUER FUSO HORÁRIO

ÀS SEIS HORAS MATINA NO RIO DE JANEIRO
ÀS SEIS HORAS MATINA EM SÃO BENTO DO UNA
ÀS SEIS HORAS MATINA EM AMSTERDÃ
ÀS SEIS HORAS MATINA EM PETROLINA
ÀS SEIS HORAS

08EROSÃO

EROSÃO
ALCEU VALENÇA

ROENDO AS UNHAS, AMÉLIA
LUTAVA NO PENSAMENTO
PENSANDO FOSSE POSSÍVEL
FAZER O TEMPO PARAR

NUM QUARTO ESCURO, FECHADA
COM A CHAVE DA VIRGINDADE
FORA, O VENTO RÓI OS MONTES
NA CAMA DA EROSÃO

QUEM FOGE PORQUE É NOITE
NÃO VÊ O DIA RAIAR
POR MAIS QUE FUJA TRAZ PRESA
A MADRUGADA NO CALCANHAR

O RELÓGIO DÁ ALARME
DESPERTADOR DE AMÉLIA
JURA AO VELHO TRAVESSEIRO
SEUS PONTEIROS ACERTAR

ROENDO AS UNHAS, AMÉLIA
ROENDO AS UNHAS, AMÉLIA

0978 ROTAÇÕES

78 ROTAÇÕES
ALCEU VALENÇA / GERALDO AZEVEDO

ELA VINHA NUMA MANHÃ
RACHADA
PELO VENTO QUE SOPROU
DE MADRUGADA
NO FRIO DE UMA MANHÃ DE MAIO
DE FRANJA NA TESTA
TENTAVA ESCONDER O PENSAMENTO
QUE SÓ PENSAVA EM MIM
ELA PENSAVA EM NÓS
MEU CIGARRO CLAREANDO
A MADRUGADA
NOSSO QUARTO, NOSSA VIDA, NOSSA CASA
NA BEIRA DO MANGUE
NA BEIRA DA LAMA
NA BEIRA DE OLINDA

EU NEM ME LEMBRO DA CASINHA
PEQUENINA
NA BEIRA DO MANGUE
NA BEIRA DA LAMA
NA BEIRA DE OLINDA

PERDIDA EM 78 ROTAÇÕES...

10TALISMÃ

TALISMÃ
ALCEU VALENÇA / GERALDO AZEVEDO

DIANA,
ME DÊ UM TALISMÃ
VIAJAR,
VOCÊ JÁ PENSOU EM MAIS EU
VIAJAR
QUANDO O SOL
DESMAIAR
AH, VOU VIAJAR

OLHA ESSA SOMBRA
ESSE RASTRO DE MIM
OLHA ESSA SOBRA
ESSA RÉSTIA DE SOL
QUE DA POEIRA TOSSIU
QUE DA POEIRA...

AH, DIANA NEM LIGOU

11CIRANDA DE MÃE NINA

CIRANDA DE MÃE NINA
ALCEU VALENÇA

FOI NUMA CIRANDA
NA ESTRADA DE PAULISTA
LÁ PRAS BANDAS DE OLINDA
LAÇO BRANCO NO CABELO
DA MENINA SEVERINA
DA MENINA SEVERINA

NAVEGANDO NO SEU CORPO
EMOLDURADO PELA CHITA
COM SEU CORPO NAVEGANDO
NO TERREIRO DE MÃE NINA
COM SEU CORPO NAVEGANDO
NO TERREIRO DE MÃE NINA

Ô CIRANDEIRO, Ô CIRANDEIRO

ONDE ANDA AQUELA ESTRADA
DE PAULISTA OU DE OLINDA?
ONDE LAÇO ONDE FITA
LENÇO BRANCO DA MENINA?
ONDE A VOZ DO CIRANDEIRO?
VESTE CHITA SEVERINA?
ONDE ANDA MEU IRMÃO?
A CIRANDA SE ACABANDO
O SOL MORDENDO A MADRUGADA
NO COMPASSO DA LEMBRANÇA
EU AQUI SEM ESPERANÇA
SEM CIRANDA OU CIRANDÁ

Ô CIRANDEIRO, Ô CIRANDEIRO

VIM DO RECIFE
UM RAPAZ ME PERGUNTOU
SE NA CIRANDA QUE EU VOU
SE TINHA MUITAS MORENAS
EU DISSE TEM
DESSAS MORENAS, MULATA
DESSAS QUE A MORTE MATA
E DEPOIS CHORA COM PENA

12HORRÍVEL

HORRÍVEL
ALCEU VALENÇA

MEU AMOR NÃO APARECE
Ê, SOLIDÃO
VAI CHEGANDO O FIM DO MÊS
MEU AMOR É SOL, É SANGUE,
É SOLIDÃO
É VAMPIRO PRA VOCÊS
É HORRÍVEL!
SEU DENTE DE OURO, SUA BOCA VERMELHA,
SANGRANDO NA NOITE
MEU AMOR TEM UM CHEIRO
DE TERRA MOLHADA
DE ROSA ENCARNADA
UM CHEIRO DE MAR
ELA VESTE MOLAMBO
ELA CHUPA MORANGO
ELA MASCA CHICLETES
DE HORTELÃ
ELA GOSTA DE VINHO
- E EU SOU LOUCO POR ELA
ELA BEBE SANGRIA
- MAS EU SOU LOUCO POR ELA
MAS ELA VESTE MOLAMBO
- MAS EU SOU LOUCO POR ELA
É HORRÍVEL!
SEU DENTE DE OURO, SUA BOCA VERMELHA
SANGRANDO NA NOITE