Cantoria 1

1984

Lançamento: 1984

PRODUZIDO POR MARIO DE ARATANHA
PRODUÇÃO FONOGRÁFICA: KUARUP
GRAVADO POR FILIPE CAVALIERI
ESPETÁCULOI ORIGINAL CRIADO POR ANTONIO CARLOS LIMONGI
CAPA: JANINE HOUARD (CRIAÇÃO), ARTUR IKISSIMA (FOTO CAPA)

01DESAFIO ABERTURA DO AUTO DA CATINGUEIRA

DESAFIO ABERTURA DO AUTO DA CATINGUEIRA
ELOMAR

CANTADOR DO NORDESTE
(XANGAI)

SINHORES DONO DA CASA
O CANTADÔ PEDE LICENÇA
PRÁ PUXÁ A VIOLA RASA
AQUI NA NOSSA PRESENÇA
VENHO DAS BANDA DO NORTE
CUM PIRMISSÃO DA SENTENÇA
CUMPRI MIA SINA FORTE
JÁ POR MUITOS CUNHICIDA
BUSCANO A INLUSÃO DA VIDA
OU OS CUTELO DA MORTE
E DAS DUAS A PRIFIRIDA
A QUI MIM MANDÁ A SORTE
JÁ QUI NUNCIEI QUEM SÔ
DÊXO MEU CONVITE FEITO
PRA QUALQUÉ DOS CANTADÔ
DOS QUI SE DÁ PUR RESPEITO
AQUI QUI PRU ACASO TEJA
NESSA FUNÇÃO DE ALIGRIA
E PRÁ QUI TODOS ME VEJA
PUCHO ALTO A CANTORIA
NESSA VIOLA DE PELEJA
QUI QUANO NUM MATA ALEJA
CANTADÔ DE ARRILIA
SÓ NA ISCADA DUA IGREJA
LABUTEL CUA DUZA UM DIA
CINCO MORRÊRO D'INVEJA
TREIS DE AVÊCHO, UM DE AGUNIA
MATEI OS BICHOS CUM MOTE
QUI JÁ ME DEU TREIS MUIÉ
É A HISTÓRIA DUM CASSOTE
CUM CUATI E COM SAQUÉ
O CASSOTE COM UM POTE
CUÔ PRU CUATI UM CAFÉ
IANTES OFRECEU UM LOTE
NUM SACO PRÁ O SAQUÉ
O SAQUÉ SECÔ O POTE
DEXÔ O CUATI SÓ CUA FÉ
DI QUI DENT DO TAL POTE
INDA TINHA ALGUM CAFÉ
E XISPÔ SAMBANO UM XOTE
O INXAVIDO DO SAQUÉ
QUI CUATI QUÁ QUI CASSOTE
BOTO O BICO E BATO UM BOTE
O QUI É QUI O SAQUÉ QUÉ
IANTES PORÉM AVISO
SÔ MALVADO NUM ALISO
TRISTE Ô FILIZ É O CANTADÔ
QUEU APANHÁ PRÁ DÁ O CASTIGO
APOIS QUEM CANTA CUMIGO
SAI DIFUNTO Ô SAI DOTÔ

 

 

TROPEIRO
(ELOMAR)

SINHÔ CANTADÔ CHEGANTE
ME ADISCULPA O TRATAMENTO
NESSA HORA NESSE INSTANTE
MÊRMO AQUI NESSE MOMENTO
TÁ UM CANTÔ SINIFICANTE
SEM FAMA SEM ATREVIMENTO
QUI NUM É MUIT FALANTE
NEM DE MUIT CUNHICIMENTO
MAIS PRÁ TITOS E VALINTIA
SÓ TRAIS UA VIOLA NA MÃO
FALTA O ILUSTRE COMPANHÊRO
MARCÁO O LUGÁ DA PRUFIA
SE LÁ FORA NO TERRÊRO
O AQUI MÊRMO NO SALÃO

 

 

CANTADOR DO NORDESTE
(XANGAI)

VAMO LOGO MÃO A OBRA
DEXA AS BESTAGE DE LADO
QUI A LÛA JÁ FEIZ MANOBRA
NO SEU CAMPO ALUMIADO
VOSMICÊ QUI SOIS DAQUI
VAI DEXANO ISPLICADO
AS MODA DOS CANTORI
QUI LHE É MAIS AGRADADO
SE VAMO CANTÁ O MOIRÃO
O MARTELO Ô A TIRANA
Ô A LIGÊRA SUSSARANA
PARCELA DE MULTIRÃO
Ô INTANCE AO INVÉIS
A OBRA DE NOVE PEIS
DE OITE SETE Ô SEIS
Ô SE DEIZ PÉS EM QUADRÃO
VAMO LOGO MÃO A OBRA
DÊXA ESAS COISA DE LADO
COMO CANTÁ NO SALÃO
TÔ MAIS RIUNA QUI A COBRA
QUI TRAIS NO RABO INCRAVADO
UMINVENENADO FEIRÃO.

 

 

TROPEIRO
(ELOMAR)

APOIS SIM TÁ CERTO VAMO
CANTÁ QUALQUER CANTURIA
NUM ME DEITO NEM ME ACAMO
PRA ARROTÁ SABIDURIA
VAMO CANTA MEU AMIGO
AS MODA QUI TÔ CHEGANDO
NUM CORREMO ASSIM O PIRIGO
DE TÁ SEMPRE ISPLICANO
PRÊSSE POVO QUI EU DIGO
INDUCADO ISCUTANO
APOIS PRÁ INTENDÊ PARCEIA
MARTEIO Ô CÔCO TIRAN
TEM QUI BATÉ MIL CANCELANA LISTRADA DAS DISINGON
E AINDA PURRIBA TEM
QUI SABÊ SOFRE E ISPERÁ
MÊRMO SABEN QUI NUM VEM
AS COISA DO SEU SONHÁ
NA LISTRADA DOS DISINGANO
ANDEI DE NOITE E DE DIA
O POIS SIM TÁ CERTO VAMO
CANTÁ QUALQUÉ CANTURIA

CANTADOR DO NORDESTE
(XANGAI)

NA LISTRADA DOS DISINGANO
ANDEI DE NOITE E DE DIA
INLUDIDO PERCURANO
APRENDÊ O QUI NUM SABIA
QUANO EU ERA MOÇO UM DIA
ARRISULVÍ SAL ANDANO
PULA ISTRADA DA ALIGRIA
A ALIGRIA PERCURANO
CURRI DOIDO ATRÁS DELA
ENTRÔ ANO SALU ANO
BATI MAIS DE MIL CANCELA
NA ISTRADA DOS DISINGANO

 

 

CANTADOR DO NORDESTE
(XANGAI)

TODO CANTADÔ ERRANTE
TRAIS NOS PEITO UA MARZELA
NAS ALMA LUA MINGUANTE
LISTRADA E SOM DE CANCELA
FONTE AQUI FICÔ DISTANTE
QUI MATAVA A SÊDE DELA
E O CORAÇÃO MAIS DISCRENTE
DOS AMÔ DA CATINGUÊRA
AI O AMÔ É UA SERPENTE
ESSE BICHO MORDE A GENTE
VAMO POIS CANTÁ PARCELA
DAINDÁ DAÍNDÁ DAINDÁ

 

 

TROPEIRO
(ELOMAR)

EU SÔ CANTADÔ DE CÔCO
EU NUM CANTO PARCELA
PARCELA É FEITICÊRA
EU CORRO AS LÉGUA DELA
AI, AI, AI, AI
CHEGANO NUM LUGÁ
ADONDE TÊJA ELA
EU VÔ ME ADISCULPANO
E DONO NAS CANELA
DAINDÁ, DAÍNDÁ, DAÍNDÁ,
CUNHICI UM CANTADÔ
DISTIMIDO E VALENTE
QUI MANGAVA DO AMÔ
E ZOMBAVA A FÉ DOS CRENTE
MAIS UM DIA ELE TOPÔ
NOS BATENTE DUA JINELA
COM O BICHO DO AMÔ
MUCAMA POMBA E DONZELA
E O CANTADÔ AOS PÔCO
FOI SE PAXONANO PRU ELA
FÉ QUI UM DIA FICÔ LÔCO
DE TANTO CANTÁ PARCELA
E HOJE VÉVE PELA ISTRADA
RISMUNGANO QUI A CULPADA
FOI A MUCAMA DA JINELA
DAINDÁ, DAÍNDA, DAÍNDÁ,
EU SÔ CANTADÔ DE CÔCO
APOIS QUEM CANTA PARCELA
CORRE UM RISCO SÃO FRANCISCO
MORRE DOIDO CANTAN ELA
DAINDÁ, DAÍNDÁ, DAINDÁ...

02NOVENA

NOVENA
GERALDO AZEVEDO / MARCUS VINICIUS

NAS HORAS DE DEUS AMÉM
PADRE, FILHO, ESPÍRITO SANTO
ESSA É A PRIMEURA CANTIGA
QUE NESSA CASA EU CANTO

SEI QUE SÃO NOVE DIAS NOVE PENAS
ENQUANTO A ESPERA AUMENTA
O MUNDO SE FAZ ESQUECIDO
NA TERRA DOS HOMENS
DE LUZES COLORIDAS

ENQUANTO A FAMÍLIA REZA NOVENA
AS NOTÍCIAS QUE MONTAM CAVALOS LIGEIROS
VÃO TOMANDO TODO O MUNDO
E NA CASA DO LAR
ESQUECIDOS FICAM TODOS LONGE DE SABER
O QUE FOI QUE ACONTECEU
E ALL NINGUÉM PERCEBEU
TANTA PEDRA DE AMOR CAIR
TANTA GENTE SE PARTIR
NO AZUL DESSA INCRÍVEL DOR
ENQUANTO A FAMÍLIA REZA ALGUÉM
SEGUE E NOVENA
NO ABISMO DE PRECES REPETIDAS
NO SOSSEGO DE UMA AGONIA SEM FIM

ENQUANTO A FAMÍLIA REZA NOVENA
NOVE DIAS SE PASSARAM MARCADOS
SEM TEMPO SEM NADA E SEM FIM
NO MEIO DO MUNDO, DO MEDO
E DE MIM DESESPEDAÇADO EM TANTO VERSO
ENTÃO DE ORAÇÕES A SALA SE FAZ
E LÁ FORA SE ESQUECE A PAZ
UMA BOMBA EXPLODIU POR LÁ
SOBRE OS OLHOS DO MEU BEM
E ASSIM ME MATA TAMBÉM
ENQUANTO A NOVENA CHEGA AO FIM
BANDAS BANDEIRAS
BENDITOS PASSANDO PELA VIDA
E A NOVENA SE PERDE ESQUECIDA DE NÓS

NAS HORAS DE DEUS AMÉM
PADRE, FILHO, ESPÍRITO SANTO
ESSA É A PRIMEIRA CANTIGA
QUE NESSA CASA EU CANTO

03SETE CANTIGA PARA VOAR

SETE CANTIGA PARA VOAR
VITAL FARIAS

CANTIGA DE CAMPO
DE CONCENTRAÇÃO
A GENTE BEM SENTE
COM PRECISÃO
MAS RECORDAR A TUA IMAGEM
NAQUELA VIAGEM
QUE EU FIZ PRO SERTÃO
EU QUE NASCI NA FLORESTA
CANTO E FAÇO FESTA
NO SEU CORAÇÃO
VOA, VOA AZULÃO...

CANTIGA DE ROÇA
DE UM CEGO APAIXONADO
CANTIGA DE MOÇA
LÁ DO CERCADO
QUE CANTA A FAUNA E A FLORA
E NINGUÉM IGNORA
SE ELA QUER BROTAR
BOTA UMA FLOR NO CABELO
COM ALEGRIA E ZELO
PARA NÃO SECAR
PARA NÃO SECAR
VOA, VOA, NO AR...
CANTIGA DE NINAR
A CRIANÇA NA REDE
MENTIRA DE ÁGUA
É MATAR A SEDE
DIZ PRA MÃE QUE EU FUI PRO AÇUDE
FUI PESCAR UM PEIXE
ISSO EU NÃO FUI NÃO
TAVA ERA COM UM NAMORADO
PRA ALEGRIA E FESTA
DO MEU CORAÇÃO
VOA, VOA, AZULÃO...

CANTIGA DE ÍNDIO
QUE PERDEU SUA TABA
NP PEITO ESSE INCÊNDIO
CÉU NÃO SE APAGA
DEIXE O ÍNDIO NO SEU CANTO
QUE EU CANTO UM ACALANTO
FAÇO OUTRA CANÇÃO
DEIXE O PEIXE, DEIXE O RIO
QUE O RIO É UM FIO DE INSPIRAÇÃO
VOA, VOA, AZULÃO...

04CANTIGA DO BOI INCANTADO

CANTIGA DO BOI INCANTADO
ELOMAR

ÊÊÊÊÊÊ... BOI INCANTADO E ARUÁ
Ê BOI QUEM HAVERA DE PEGÁ
NA MIA VIDA DE VAQUÊRO VAGABUNDO
JÁ NEM DÔ CONTA DOS PIIGO QUI INFRENTEI
APOIS AQUI DAS NAÇÃO E GADO QUI AI NO MUNDO
NUM TEM UM SÓ BOI QUI NUM PEGUEI
ÊÊÊÊ... BOI INCANTADO E ARUÁ
Ê BOI QUEM HAVERA DE PEGÁ
EU VIM DE LONGE, BEM PRA LÁ DAQUELA SERRA
QUI FICA ADONDE AS VISTA NUM PODE ALCANÇAR
RICUMENDADO DOS VAQUÊRO DI MIA TERRA
PRA NESSAS BANDA ELES NÓIS REPRESENTAR
ALAS QUI VIEMO IN DOIS EU EMAIS VENTANIA
O MAIS FAMADO DOS CAVALO DO LUGÁ
MEU SABARUNO REI DO LARGO E DO GROTÃO
VÊ SI NUM ISQUECE DA PEMESSA QUI NÓIS FEIZ
NAQUELA QUADRA DE FERRA LAÇO E MOIRÃO
NA LUZ DA TARDE OS OLHOS DELA E MEU CANTÁ
A MAIS BUNITA DE BRUMADO AO PANCADÃO
JUREM A ELA VIU TI PEGÁ BOI ARUÁ
ÊÊÊÊ... BOI INCANTADO E ARUÁ
Ê BOI QUEM
DE INDUBRASIL NEROL XULTE GUADIMÁ
MOURA JUNQUÊRO PINTADO NUVE E ALVAÇÃO
JUNQUÊRO GIZ PEDURO LANDRÊS MALABÁ
PINTADO LARANJO RAJADO LUBIÃO
BOI DE GABARRO BANANA MÔCHO OU ARMADO
DE CURRALÊRO AO LEVANTADO BARBATÃO
DE TODOS BOI QUE AI NO MUNDO JÁ PEGUEI
AFORA LÁ ELE QUE TEM PARTE CUM CÃO
O TAL BOI BUFA CUM ESSE NUNCA LABUTEI
E O INCANTADO QUI DISTINEMO A PEGÁ

PA NÓIS LEVÁ PRAS TERRA DAQUELA DONELA
JUREMA A ELA VIU TI PEGÁ BOI ARUÁ

ÊÊÊÊÊÊ... BOI ENCANTADO E ARUÁ
Ê BOI QUEM HAVERA DE PEGÁ

05KUKUKAYA

KUKUKAYA
CÁTIA DE FRANÇA

SÃO QUATRO JOGADORES, NESTA MESA
FRENTE A FRENTE PARA JOGAR
SÃO QUATRO CABRA DE PEIA
NO DESAFIO DO JOGO DA BRUXA
EM NOITE DE LUA CHEIA
SÃO QUATRO JOGADORES, NESTA MESA
DANDO AS CARTAS, NO JOGO SURDO DA VIDA
KUKUKAYA, EU QUERO VOCÊ MIM
KUKUKAYA, MAS OLHA ESSE CACHORRO AQUI
KUKUKAYA, EU QUERO VOCÊ AQUI
KUKUKAYA, MAS PRESTE A ATENÇÃO EM MIM
SÃO QUATRO JOGADORES, NESTA MESA
DANDO AS CARTAS, SEM DAR FALSA FOLGA A NINGUÉM
SÃO QUATRO CABRA DE PEIA
DE RISO DÓCIL E RIMA FÁCIL
NÃO VÁ SE ENGANAR, É, MEU BEM
QUE EU TENHO DOIS OLHOS,
EU TENHO DOIS PÉS
DOR DOS MEUS OLHOS VÁ PROS MEUS PÉS
E DOS MEUS PÉS, PRA DENTRO DA TERRA
DA TERRA PARA A MORTE
KUKUKAYA, EU QUERO VOCÊ MIM
KUKUKAYA, MAS OLHA ESSE CACHORRO AQUI
KUKUKAYA, EU QUERO VOCÊ AQUI
KUKUKAYA, MAS PRESTE A ATENÇÃO EM MIM
MAS O OVO É REDONDO, VENTRE REDONDO É
VEM AMOR, VEM COM SAÚDE
AONDE EU SOU CHAMA, SEJA VOCÊ BRASA
E AONDE EU SOU CHUVA, SEJA VOCÊ ÁGUA

06AI QUE SAUDADE DE OCÊ

AI QUE SAUDADE DE OCÊ
VITAL FARIAS

NÃO SE ADMIRE SE UM DIA
UMA BEIJA-FLOR INVADIR
A PORTA DA SUA CASA
TE DER UM BEIJO E PARTIR
FUI EU QUE MANDEI O BEIJO
QUE É PRA MATAR MEU DESEJO
FAZ TEMPO QUE EU NÃO TE VEJO
AI QUE SAUDADE DE OCÊ

SE UM DIA OCÊ SE LEMBRAR
ESCREVA UMA CARTA PRA MIM
BOTE LOGO NO CORREIO
COM FRASES DIZENDO ASSIM
FAZ TEMPO QUE EU NÃO TE VEJO
QUERO MATAR MEU DESEJO
TE MANDO UM MONTE DE BEIJO
AI QUE SAUDADE DE OCÊ

E SE QUISER RECORDAR
AQUELE NOSSO NAMORO
QUANDO EU IA VIAJAR
VOCÊ CAIA NO CHORO
E EU CHORANDO PELA ESTRADA
MAS O QUE EU POSSO FAZER
TRABALHAR É MINHA SINA
EU GOSTO MESMO É DE OCÊ

07AI D`EU SODADE

AI D`EU SODADE
ANÔNIMO

MARIDO SE ALEVANTA
E VAI ARMÁ UM MUNDÉ
PRÁ PEGÁ U`A PACA GORDA
PRÁ NÓIS FAZÊ UM SARAPATÉ
ARUERA É PAU PSADO
NUM É MINHA VÉA
CAI E MACHUCA MEU PÉ
E AI D`EU SODADE

INTONCE MARIDO
SE ALEVANTA
E VAI NA CASA DA TUA AVÓ
BUSCÁ A INPINGARDA DELA
PRO CÊ CAÇÁ
UM MOCÓ
SÓ QUE LA NO LAGEDO
TEM COBRA BRABA
NUM É MINHA VÉA
ME MORDE E FICA PIÓ
E AI D`EU SODADE

MARIDO SE ALEVANTA
E VAI CAÇÁ U`A SIRIEMA
NÓIS COME A CARNE DELA
E FAIZ U`A BASSORA
DAS PENA
QUEM ME DERA
TÁ AGORA
NUM É MUNHA VÉA
NOS BRAÇO
D`UMA ROXA MORENA
E AI D`EU SODADE

SUJEITO ALEVANTA
E VAI NA CASA DO VENDERÃO
COMPRÁ U`A CARM GORDA
PRA NÓIS CUMÊ UM PIRÃO
É QUE EU NUM TENHO MAIS DINHEIRO
NUM É MINHA VÉA
IADO NUM COMPRO NÃO
E AI D`EU SODADE

MARIDO SE ALEVANTA
E VAI NA VENDA DO VENDEIN
COMPRÁ DEZ METRO
DE CHITA
PRA FAZÊ RÔPA
PROS NOSSOS FILIN
AÍ DENT`O TEM
UM COLCHÃO
VÉI
NUM É MINHA VÉA
DISMANCHA E FAIZ
U`AS CALÇA PRA MIM
E AI D`EU SODADE

DISGRAMADO TE ALEVANTA
DEXA DI CÊ
PRIGUIÇOSO
O HOME
QUI NUM TRABALHA
NUM PODE
CUMÊ GOSTOSO
É QUE TRABAIÁ
É MUITO BOM
NUM É MINHA VÉA
MAIS É UM PÔCO ARRISCOSO
E AI D`EU SODADE

MARIDO SE ALEVANTA
E VEM TOMÁ UM MINGAL
QUI É PRA CRIÁ SUSTANÇA
PRÁ NÓIS FAZÊ UM CALAMENGAU
BRINCADEIRA DE MANHÂ CEDO
NUM É MINHA VÉA
ARRISCA QUEBRÁ O PAU
E AI D`EU SODADE

MARIDO SEU DISGRAÇADO
TU AI DE MORRÊ
CACHORRO AI DE TE LATI
E URUBU AI DE TI CUMÊ
SEU EU SOUBESSE DISSO TUDO
NUM É MINHA VÉA
EU NUM CASAVA CUM OCÊ
E AI D`EU SODADE

08SEMENTE DE ADÃO / VIRAMUNDO

SEMENTE DE ADÃO / VIRAMUNDO

SEMENTE DE ADÃO
(GERLADO AZEVEDO / CARLOS FERNANDO)

ELES TODOS HINOS CANTARAM
ENTRE JARDINS BANDEIRAS
E QUASE FOME E SEDE PASSARAM
DO CAIS ATÉ O SERTÃO
NA CIDADE E NA ROÇA
DIVIDIDOS CALADOS
ELES TODOS SONHOS SONHARAM
TODOS SONHOS SONHARAM
O MARTELO BATENDO
O OUTRO ESPERANDO CHOVER
SUA FILHA COLHER
A SEMENTE DE ADÃO
ELES TODOS SONHOS SONHARAM
TODOS SONHOS SONHARAM
A NAVALHA NA BARBA
O OUTRO DEIXA O FIO CRESCER
PRA SEU FILHO APRENDER
DO REPENTE SOLTAR
UMA VELHA CANÇÃO
QUE FALE DO NOVO
NO VELHO PLANETA

 

 

VIRAMUNDO
(GIL E CAPINAN)

SOU VIRAMUNDO VIRADO
NA RONDA DAS MARAVILHAS
CORTANDO A FACA E FACÃO
OS DESATINOS DA VIDA
GRITANDO PARA ASSUSTAR
A CORAGEM DA INIMIGA
PULANDO PRA NÃO SER PRESO
PELAS CADEIAS DA INTRIGA
PREFIRO TER TODA A VIDA
A VIDA COMO INIMIGA
A TER NA MORTE DA VIDA
MINHA SORTE DEIDIDA

SOU VIRAMUNDO VIRADO
PELO MUNDO DO SERTÃO
MAS INDA VIRO ESSE MUNDO
M FESTA TRABALHO E PÃO
VIRADO SERÁ O MUNDO
E VIRAMUNDO VERÃO
O VIRADOR DESSE MUNDO
ASTUTO, MAU E LADRÃO
SER VIRADO PELO MUNDO
QUE VIROU POR CERTIDÃO
MAS INDA VIRO ESSE MUNDO
EM FESTA, TRABALHO E PÃO

09CANTIGA DO ESTRADAR

CANTIGA DO ESTRADAR
ELOMAR

TÁ FECHANDO SETE TEMPO
QUI MIA VIDA É CAMIA
PULAS ISTRADA DO MUNDO
DIA E NOITE SEM PARÁ
JÁ VISITEI OS SETE RÊNO
ADONDE EU TIA QUI CANTÁ
SETE DIDAL DE VENENO
TRAGUEI SEM PESTANEJÁ
MAIS DURAS PENAS SÓ EU VENO
ÔTRO CRISTRÃO PRA SUPORTÁ
SÔ IRIRMÃO DO SUFRIMENTO
DE PAUTA VEA C’ A DÔ
AJUNTEI NO ISQUICIMENTO
O QUI O BALDONO GUARDÔ
MEUS MESTRE A ISTRADA E O VENTO
QUEM A VIDA ME INSINÔ
VÔ ME ALEMBRANDO NA VIAGEM
DAS PINTURA QUI PASSEI
DAQUELAS DURAS PASSAGE
NOS LUGARI ADONDE ANDEI
SÓ DE PENSÁ ME DÁ FRIAGE
NOS SUCESSO QUI ASSENTEI
NA MIA LEMBRANÇA
LIGIÃO
DE CONDENADOS
NOS GRILHÃO ACORRENTADOS
NAS TREVA DA INGUINORANÇA
SEM A LUZ DO GRANDE REI
TUDO ISSO EU VI NAS MIA ANDANÇA
NOS TEMPO QUI EU BASCUIAVA
O TRECHO ALEI
TÔ DE VOLTA JÁ FAZ TEMPO
QUI DEIXEI O MEU LUGÁ
ISSO SE DEU CUANO MOÇO
QUI EU SAÍ A PERCURÁ
NAS INLUSÃO QUI HAI NO MUNDO
NAS BRAMURA QUI HAI PRU LÁ
SOLTEI PUR PREFUNDOS PÔÇO
QUI O TIOSO TEM PRU LÁ
JESUS LIVRÔ DERNA D’EU MOÇO
DO RAIVOSO ME PAINHÁ
JÁ PASSEI PUR TANTAS PROVA
INDA TEM PROVA PRA INFRENTÁ
VÔ CONTANO MIAS TROVA
QUI AJUNTEI NO CAMIÁ
LÁ NO CÉU VEJO A LUA NOVA
CUMPAIA DO ISTRADÁ
ELE INSINÔ QUI NOIS VIVESSE
A VIDA AQUI SÓ PRU PASSÁ
QUI NOISINTOCE INVITASSE
O MAU DISEJO E O CORAÇÃO
NOIS PRUFIASSE PRA SÊ BRANCO
INDA MAIS PURO
QUI O CAPUCHO DO ALGUDÃO
QUI NUM JUNTASSE DIVIDISSE
NEM DEGASSE A QUEM PIDISSE
NOSSO AMÔ O NOSSO BEM
NOSSOS TEREM NOSSO PERDÃO
SÓ ASSIM NOIS VÊ A FACE OGUSTA
DO QUI HABITA OS ALTOS CÉUS
O PIEDOSO O MANSO O JUSTO
O FIEL E CUMPASSIVO
SIÔ DE MORTOS E VIVOS
NOSSO PAI E NOSSO DEUS
DISSE QUI HAVERA DE VOLTÁ
CUANO ESSA TERRA PECADORA
MARGUIADA IN TRANSGRESSÃO
TIVESSE CHÊA DE VIOLENÇA
DE RAPINA DE MINTIRA E DE LADRÃO

10VIOLERÔ

VIOLERÔ
ELOMAR

Vô cantá no canturi primero
as coisa lá da minha mudernage
qui mi fizero errante e violêro
eu falo séro i num é vadiage
i pra você qui agora está mi ôvino
juro inté pelo Santo Minino
Vige Maria qui ôve o qui eu digo
si fô mintira mi manda um castigo
Apois pro cantadô i violero
só hai treis coisa nesse mundo vão
amô, furria, viola, nunca dinhêro
viola, furria, amô, dinhêro não
Cantadô di trovas i martelo
di gabinete, ligêra i moirão
ai cantadô já curri o mundo intêro
já inté cantei nas prtas di um castelo
dum rei qui si chamava di Juão
pode acriditá meu companhêro
dispois di tê cantado u dia intêro
o rei mi disse fica, eu disse não
Si eu tivesse di vivê obrigado
um dia inantes dêsse dia eu morro
Deus feis os homi e os bicho tudo fôrro
já vi iscrito no Livro Sagrado
qui a vida nessa terra é u'a passage
i cada um leva um fardo pesado
é um insinamento qui derna a mudernage
eu trago bem dent' do coração guardado
Tive muita dô di num tê nada
pensano qui êsse mundo é tud'tê
mais só dispois di pená pelas istrada
beleza na pobreza é qui vim vê
vim vê na procissão u Lôvado-seja
i o malassombro das casa abandonada
côro di cego nas porta das igreja
i o êrmo da solidão das istrada
Pispiano tudo du cumêço
eu vô mostrá como faiz o pachola
qui inforca u pescoço da viola
rivira toda moda pelo avêsso
i sem arrepará si é noite ou dia
vai longe cantá o bem da furria
sem um tustão na cuia u cantadô
canta inté morrê o bem do amô.

11SAGA DA AMAZÔNIA

SAGA DA AMAZÔNIA
VITAL FARIAS

ERA UMA VEZ NA AMAZÔNIA A MAIS BONITA FLORESTA
MATA VERDE, CÉU AZUL, A MAIS IMENSA FLORESTA
NO FUNDO D'ÁGUA AS IARAS, CABOCLO LENDAS E MÁGOAS
E OS RIOS PUXANDO AS ÁGUAS

PAPAGAIOS, PERIQUITOS, CUIDAVAM DE SUAS CORES
OS PEIXES SINGRANDO OS RIOS, CURUMINS CHEIOS DE AMORES
SORRIA O JURUPARI, UIRAPURU, SEU PORVIR
ERA: FAUNA, FLORA, FRUTOS E FLORES

TODA MATA TEM CAIPORA PARA A MATA VIGIAR
VEIO CAIPORA DE FORA PARA A MATA DEFINHAR
E TROUXE DRAGÃO-DE-FERRO, PRÁ COMER MUITA MADEIRA
E TROUXE EM ESTILO GIGANTE, PRÁ ACABAR COM A CAPOEIRA

FIZERAM LOGO O PROJETO SEM NINGUÉM TESTEMUNHAR
PRÁ O DRAGÃO CORTAR MADEIRA E TODA MATA DERRUBAR:
SE A FLORESTA MEU AMIGO, TIVESSE PÉ PRÁ ANDAR
EU GARANTO, MEU AMIGO, COM O PERIGO NÃO TINHA FICADO LÁ

O QUE SE CORTA EM SEGUNDOS GASTA TEMPO PRÁ VINGAR
E O FRUTO QUE DÁ NO CACHO PRÁ GENTE SE ALIMENTAR?
DEPOIS TEM O PASSARINHO, TEM O NINHO, TEM O AR
IGARAPÉ, RIO ABAIXO, TEM RIACHO E ESSE RIO QUE É UM MAR

MAS O DRAGÃO CONTINUA A FLORESTA DEVORAR
E QUEM HABITA ESSA MATA, PRÁ ONDE VAI SE MUDAR???
CORRE ÍNDIO, SERINGUEIRO, PREGUIÇA, TAMANDUÁ
TARTARUGA: PÉ LIGEIRO, CORRE-CORRE TRIBO DOS KAMAIURA

NO LUGAR QUE HAVIA MATA, HOJE HÁ PERSEGUIÇÃO
GRILEIRO MATA POSSEIRO SÓ PRÁ LHE ROUBAR SEU CHÃO
CASTANHEIRO, SERINGUEIRO JÁ VIRARAM ATÉ PEÃO
AFORA OS QUE JÁ MORRERAM COMO AVE-DE-ARRIBAÇÃO
ZÉ DE NATA TÁ DE PROVA, NAQUELE LUGAR TEM COVA
GENTE ENTERRADA NO CHÃO:

POS MATARAM ÍNDIO QUE MATOU GRILEIRO QUE MATOU POSSEIRO
DISSE UM CASTANHEIRO PARA UM SERINGUEIRO QUE UM ESTRANGEIRO
ROUBOU SEU LUGAR

FOI ENTÃO QUE UM VIOLEIRO CHEGANDO NA REGIÃO
FICOU TÃO PENALIZADO QUE ESCREVEU ESSA CANÇÃO
E TALVEZ, DESESPERADO COM TANTA DEVASTAÇÃO
PEGOU A PRIMEIRA ESTRADA, SEM RUMO, SEM DIREÇÃO
COM OS OLHOS CHEIOS DE ÁGUA, SUMIU LEVANDO ESSA MÁGOA
DENTRO DO SEU CORAÇÃO

AQUI TERMINA ESSA HISTÓRIA PARA GENTE DE VALOR
PRÁ GENTE QUE TEM MEMÓRIA, MUITA CRENÇA, MUITO AMOR
PRÁ DEFENDER O QUE AINDA RESTA, SEM RODEIO, SEM ARESTA
ERA UMA VEZ UMA FLORESTA NA LINHA DO EQUADOR...

12MATANÇA

MATANÇA
JATOBÁ

CIPÓ CABOCLO TÁ SUBINDO NA VIROLA
CHEGOU A HORA DO PINHEIRO BALANÇAR
SENTI O CHEIRO DO MATO DA IMBURANA
DESCANSAR MORRER DE SONO NA SOMBRA DA BARRIGUDA
DE NADA VALE TANTO ESFORÇO DO MEU CANTO
PRA NOSSO ESPANTO TANTA MATA HAJA VÃO MATAR
TAL MATA ATLÂNTICA E A PRÓXIMA AMAZÔNICA
ARVOREDOS SECULARES IMPOSSÍVEL REPLANTAR
QUE TRISTE SINA TEVE CEDRO NOSSO PRIMO
DESDE MENINO QUE EU NEM GOSTO DE FALAR
DEPOIS DE TANTO SOFRIMENTO SEU DESTINO
VIROU TAMBORETE MESA CADEIRA BALCÇAO DE BAR
QUEM POR ACASO OUVIU FALAR DA SUCUPIRA
PARECE ATÉ MENTIRA QUE O JACARANDÁ
ANTES DE VIRAR POLTRONA PORTA ARMÁRIO
MORAR NO DICIONÁRIO VIDA ETERNA MILENAR

QUEM HOJE É VIVO CORRE PERIGO
E OS INIMIGOS DO VERDE DA SOMBRA
O AR QUE SE REPIRA
E A CLOROFILA DAS MATAS VIRGENS
DESTRUIDAS BOM LEMBRAR
QUE QUANDO CHEGAR A HORA
É CERTO QUE NÃO DEMORA
NÃO CHAME NOSSA SENHORA
SÓ QUEM PODE NOS SALVAR

É CAVIÚNA, CEREJEIRA, BARAÚNA,
IMBUIA, PAU-D’ARCO, SALVA
JUAZEIRO, JATOBÁ
GONÇALO-ALVES, PARAÍBA, ITAÚNA
LOURO, IPÊ, PARACAÚBA
PEROBA, MASSARANDUBA
CARVALHO, MOGNO, CANELA, IMBUZEIRO,
CATUABA, JANAÚBA, ARUEIRA, ARARIBÁ,
PAU-FERRO, ANGICO, AMARGOSO, GAMELEIRA,
ANDIROBA COPAÍBA, PAU-BRASIL, JEQUITIBÁ.

13CANTIGA DE AMIGO

CANTIGA DE AMIGO
ELOMAR

LÁ NA CASA DOS CARNEIROS, ONDE OS VIOLEIROS,
VÃO CANTAR LOUVANDO VOCÊ.
EM CANTIGAS DE AMIGO, CANTANDO COMIGO,
SOMENTE PORQUE, VOCÊ É,
MINHA AMIGA MULHER,
LUA NOVA DO CÉU QUE JÁ NÃO ME QUER.
DEZESSETE É MINHA CONTA,
MINHA AMIGA CONTA
UMA COISA LINDA PRA MIM;
CONTA OS FIOS DOS SEUS CABELOS,
SONHOS E ANELOS,
CONTA-ME SE O AMOR NÃO TEM FIM
MADRE AMIGA É RUIM
ME MENTIU JURANDO AMOR QUE NÃO TEM FIM.
LÁ NA CASA DOS CARNEIROS, SETE CANDEEIROS,
ILUMINAM A SALA DE AMOR;
SETE VIOLAS EM CLAMORES, SETE CANTADORES
SÃO SETE TIRANAS DE AMOR, PARA AMIGA EM FLOR
QUE PARTIU E ATÉ HOJE NÃO VOLTOU.
DEZESSETE É MINHA CONTA
VEM AMIGA E CONTA
UMA COISA LINDA PRA MIM;
POIS NA CASA DOS CARNEIROS, VIOLAS E VIOLEIROS,
SÓ VIVEM CLAMANDO ASSIM,
MADRE AMIGA É RUIM
ME MENTIU JURANDO AMOR QUE NÃO TEM FIM.
LÁ NA CASA DOS CARNEIROS, ONDE OS VIOLEIROS,
VÃO CANTAR LOUVANDO VOCÊ.
EM CANTIGAS DE AMIGO, CANTANDO COMIGO,
SOMENTE PORQUE, VOCÊ É,
MINHA AMIGA MULHER,
LUA NOVA DO CÉU QUE JÁ NÃO ME QUER.
DEZESSETE É MINHA CONTA,
MINHA AMIGA CONTA
UMA COISA LINDA PRA MIM;
CONTA OS FIOS DOS SEUS CABELOS,
SONHOS E ANELOS,
CONTA-ME SE O AMOR NÃO TEM FIM
MADRE AMIGA É RUIM
ME MENTIU JURANDO AMOR QUE NÃO TEM FIM