Anos 2000

2000 01

Geraldo, Elba e Zé Ramalho lançam “O Grande Encontro 3”, gravado ao vivo no Rio de Janeiro. As participações especiais de Belchior, Lenine e Moraes Moreira ampliaram as fronteiras musicais do disco, que se transformou numa celebração à vitalidade da música nordestina.

Geraldo lança seu segundo disco gravado no EUA, “Hoje e Amanhã”. Assim como no CD “Berekekê”, em “Hoje e Amanhã” está presente uma síntese musical onde os instrumentistas estrangeiros se integram sem esforço às propostas rítmicas e harmônicas das canções brasileiras.

2000 02

“Dia Branco” entra na trilha sonora do filme “A Maquina”, de João Falcão, numa releitura de Vermelho 27.

Lança em 2007 o disco “O Brasil Existe em Mim” (Geração) com participação de Elba Ramalho na faixa “São João Barroco” e de Alceu Valença dividindo a música “Já Que O Som Não Acabou”, em homenagem ao mestre Jackson do Pandeiro.

Em 2009, lança seu 1º DVD, “Uma Geral do Azevedo”, gravado ao vivo no Circo Voador (Rio de Janeiro). O trabalho é uma coletânea com seus maiores sucessos. O cenário do show é feito a partir de desenhos do próprio Geraldo.

Dois anos depois, em 2011, lança “Salve São Francisco”, um projeto em CD e DVD idealizado por Geraldo Azevedo. O artista grava ao lado de alguns dos mais talentosos artistas do país: Dominguinhos, Alceu Valença, Maria Bethânia, Ivete Sangalo, Djavan, Moraes Moreira, Fernanda Takai, Roberto Mendes, Geraldo Amaral, Vavá Cunha e Márcia Porto. Todas as faixas celebram a beleza e importância do rio São Francisco. O DVD traz o making of das gravações, além de imagens de vários lugares por onde o rio São Francisco passa, mostrando sua beleza e peculiaridades. Esse trabalho concorreu no 12° Latin Grammy na categoria regional.

Nos anos seguintes, Geraldo segue excursionando Brasil afora com os shows “Voz e violão” e “Salve São Francisco”. Além das tradicionais temporadas de Carnaval e São João.

Participa em Brasília, no Teatro Nacional, ao lado de Elba, Alceu Valença e Sergio Ricardo e Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional, do cordel em formato de concerto “Estória de João Joana”, com texto de Carlos Drummond de Andrade e música de Sérgio Ricardo.

Lança no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, o show em família ao lado de seus filhos, com Lucas Amorim e Tiago Azevedo nas percussões, e Clarice Azevedo no backing vocal.

Geraldo continua sua turnê de shows pelo Brasil, incluindo o novo formato “Em família”.

Retorna a Angola para algumas apresentações.

Além dos quatro formatos de shows: “Voz e Violão”, “Em Família”, “Carnaval” e “São João”, Geraldo lança o projeto, ao lado de Elba Ramalho, “Um Encontro Inesquecível”. A apresentação lota plateias em todo país.

Em julho, no tradicional Arraiá do Circo, Geraldo lota a lona da Lapa, com recorde de público na casa onde se apresenta desde 1983.

Em 2015, estreia o show “Noites de Frevo” no Circo Voador. O espetáculo é uma prévia do carnaval pernambucano, que Geraldo Azevedo leva ao Rio de Janeiro em formato de ensaio. No ano seguinte, realiza uma apresentação gratuita do show na Lona Carioca.